Dra Elisa Gallas Diabetes em Porto Alegre

Dra Elisa Gallas

Endocrinologista

CRM RS : 38.540
RQE : 35.189

Currículo :
– Graduação em Medicina – Universidade Federal do Rio Grande, FURG, Rio Grande, Brasil, Ano de obtenção : 2013
– Especialização – Residência médica Hospital Nossa Senhora da Conceição, GHC, Porto Alegre, Brasil
– Título : Clinica Médica – 2015-2017
– Especialização – Residência médica – Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia, IEDE, Brasil
– Endocrinologia e Metabologia – 2017-2019

 

Endereço : Avenida Assis Brasil, 3535 – Sala 1010 – Cristo Redentor
Cidade : Porto Alegre – RS
Telefones : (51) 3361-1089 / (51) 99758-1013
Instagram : @elisagallas

Endocrinologista tratando diabetes

Diabetes é uma doença que se apresenta com hiperglicemia (aumento da glicose ou açúcar no sangue) e que atinge mais de 10% da população mundial. Cinquenta por cento não sabem que podem ter diabetes, enquanto a maioria que sabe está mal controlada e correndo risco de complicações gravíssimas, como infarto, derrame, cegueira, amputações, perda da função dos rins e até mesmo morte prematura.

As causas do diabetes ainda não são completamente conhecidas, e dependem do tipo. O diabetes tipo 1 é uma doença autoimune em que anticorpos “atacam” o pâncreas, fazendo-o parar de produzir insulina.

Já o tipo 2 é causado por um componente genético hereditário associado ao ganho de peso principalmente abdominal. Há outros tipos como diabetes gestacional, autoimune latente do adulto (lada), pancreático, monogenético etc.

Um dos grandes problemas do diabetes é que apenas quando a glicemia está muito elevada (em fase mais avançada da doença) é que as pessoas podem apresentar sede e fome excessivas, perda de peso, visão turva, infecções genitais mais frequentes e algumas vezes dores ou cansaço e fraqueza. Os indivíduos de alto risco para desenvolver o diabetes devem fazer testes de glicemia capilar uma vez ao ano para detectar precocemente ou até mesmo evitar o diabetes.

Os principais fatores de risco são: história familiar de diabetes, pré-diabetes, excesso de gordura abdominal, inatividade física, hipertensão arterial, obesidade, mulheres que tiveram diabetes em sua gestação ou filhos com mais de 4 kg, uso de corticoides e síndrome do ovário policístico.

O tratamento inclui : alimentação saudável, atividades físicas moderadas e frequentes, medicamentos (orais ou injetáveis).